Clínica Geral

Acompanhamento de projetos no 397

O Ateliê397 inaugura este ano o programa de cursos Clínica Geral destinado a artistas, pesquisadores, escritores e curadores interessados em discutir coletivamente suas práticas no campo da arte contemporânea. Os encontros serão semanais, das 19h30 às 22h30, e terão a orientação dos críticos de arte Thais Rivitti e Carlos Eduardo Riccioppo, às segundas, e dos artistas Jaime Lauriano e Raphael Escobar às terças. Espera-se, no entanto, que tanto os alunos quanto os orientadores possam periodicamente transitar de uma turma a outra, experimentando modos diferentes de abordagem e discussão de seus trabalhos.

Clínica Geral pretende criar uma dinâmica de trocas que leve em conta pontos de vista históricos, sociais e filosóficos para a discussão, visando ao aprofundamento de cada investigação pessoal. Incentiva também o diálogo entre a prática e a teoria, por meio da convivência de diversos agentes do circuito – artistas, curadores, críticos de arte, entre outros – fazendo com que eles compartilhem seus pontos de vistas e criem novas possibilidades de colaboração entre si. Além disso, os cursos são pensados de forma integrada à programação do espaço. Ou seja, um de seus objetivos é que os projetos elaborados, discutidos e lapidados durante as aulas possam, futuramente, achar seu lugar na programação do espaço. Nos últimos cinco anos, o Ateliê397 criou programas como o “sessão corredor” (voltado à videoarte), o “eveinto” (performances e ações no espaço), “corredor397” (obras site specifc), além de formatos novos como as exposições relâmpago e a publicação Maré, que juntava textos e trabalhos de arte no site do espaço.

Embora os cursos estejam previstos para 4 meses, eles têm uma duração indeterminada à medida em que novos assuntos e projetos podem estimular sua continuidade nos semestres subsequentes. Afinal,  o debate sobre a nova produção artística, sobre os lugares e formatos
de discussão e os modos de intervenção da arte e da crítica na situação contemporânea são temas inesgotáveis que animam a continuidade e renovação do próprio projeto do Ateliê397.


Inscrição

Os interessados poderão se inscrever preenchendo o formulário http://goo.gl/forms/g9LsUao8k3 . Após o envio do formulário, entraremos em contato para confirmar a inscrição e fornecer os dados bancários para depósito da primeira parcela. No ato da inscrição, os alunos deverão optar entre o grupo da segunda ou o grupo da terça.

Grupo da segunda
Com Thais Rivitti e Carlos Eduardo Riccioppo
Início/término: 14/03 a 27/06

Grupo da terça
Com Jaime Lauriano e Raphael Escobar
Início/término: 15/03 a 28/06

Horário: das 19h30 às 22h30

Número de encontros no semestre: 16

Número de vagas: 20


Pagamento

Serão 4 parcelas de R$300,00. O pagamento da primeira parcela garante a vaga no curso. O aluno poderá  fazer um depósito em conta-corrente ou pagar diretamente no Ateliê397, de segunda a sexta, das 14 às 19H. Aceitamos dinheiro, cheque e cartões de débito e crédito.

As demais parcelas devem ser pagas no Ateliê397 até os dias 10/04,10/05 e 10/06.


Informações

Ateliê397
R. Wisard,397 – Vila Madalena
05434-080 – São Paulo, Brasil

+55 11 3034 2132
[email protected]

Segunda a sexta 14:00 – 19:00


Conheça os professores

Grupo da segunda

Thais Rivitti é diretora do Ateliê397 desde 2010. Atua regularmente como curadora e escreve sobre arte contemporânea. Colaborou com diversas instituições culturais tais como o Centro Cultural São Paulo (júri e crítica de arte), o Centro Universitário Maria Antônia (crítica de arte), o Paço das Artes (júri e crítica de arte), o Museu de Arte Moderna de São Paulo (curadoria) e a Pinacoteca do Estado de São Paulo (edição de catálogos de mostras e assistência em exposições). Recentemente, ministrou cursos sobre a escrita em arte na Oficina Cultural Oswald Andrade e no Ateliê397 e sobre arte e filosofia na Pinacoteca, no Instituto Tomie Ohtake e no Jamac – Jardim Miriam Arte Clube.

Carlos Eduardo Riccioppo é crítico de arte. Publicou artigos sobre artistas modernos e contemporâneos e realizou as exposições “Leonilson – desenhos”, no Centro Universitário Maria Antonia, em 2008, e “Fim da primeira parte”, de João Loureiro, em 2011, na Galeria Vermelho. Em 2010, foi contemplado com a Bolsa Funarte de Estímulo à Produção Crítica em Artes Visuais e compôs os grupos de crítica do Centro Cultural São Paulo, do Centro Universitário Maria Antonia e do Paço das Artes. Contribuiu para a Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais e é Professor de História da Arte no Departamento de Artes Plásticas da ECA-USP. Mestre e Doutor em História, Crítica e Teoria da Arte pelo Departamento de Artes Plásticas da Universidade de São Paulo, é coordenador do Núcleo de Pesquisa do Centro Universitário Maria Antonia.


Grupo da terça

Jaime Lauriano graduou-se em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, no ano de 2010. Entre suas exposições mais recentes, destacam-se as individuais: Nessa terra, em se plantando, tudo dá, Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro; Autorretrato em Branco sobre Preto, Galeria Leme, São Paulo, 2015; Impedimento, Centro Cultural São Paulo, São Paulo, 2014; e as coletivas: Totemonumento, Galeria Leme, 2016; Empresa Colonial, Caixa Cultural Sé, São Paulo, 2016; Frente a Euforia, Oficina Cultural Oswald de Andrade, São Paulo, 2015; Tatu: futebol, adversidade e cultura da caatinga, Museu de Arte do Rio (MAR), Rio de Janeiro, 2014; Taipa-Tapume, Galeria Leme, 2014; como curador, participou das exposições Espaços Independentes: A Alma É O Segredo Do Negócio, Funarte, São Paulo, 2013; 4º Espaço Expositivo beco da arte, Beco da Arte, São Paulo, 2009; e das comissões de seleção do 2º Projeto Vitrine, Aurora, São Paulo, 2014; e do Ateliê Aberto #3, Casa Tomada, São Paulo, 2010; como critico de arte, escreveu textos para diversos artistas, dentre eles Regina Parra, Adriana Amaral, Kauê Garcia, Bruno Kurru e Amilcar Packer. Possui trabalhos nas coleções públicas da Pinacoteca do Estado de São Paulo, e do MAR – Museu de Arte do Rio.

Raphael Escobar é graduado em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas artes de São Paulo, e Pós-Graduando em Estudos Brasileiros pela Fundação Escola de Sociologia e Política. Desde 2009 trabalha com contextos de Vulnerabilidade social como periferia, Fundação CASA, ocupações e Cracolândia. Esta atuação em contextos de disputa política e social servem como pesquisa para seu trabalho autoral. Já participou de exposições como a individual Área de Conflito, Zipper Galeria (São Paulo, Brasil, 2013), Totemonumento, Galeria Leme (São Paulo, Brasil, 2016), X Bienal de Arquitetura de São Paulo, Centro Cultural São Paulo (São Paulo,  Brasil, 2013), A alma é o Segredo do Negócio, Funarte (São Paulo, Brasil, 2013), Multiplos 397, Ateliê397 (São Paulo, Brasil, 2012). Participou de residências artísticas como Muros: Territórios Compartilhados (Salvador, 2013), Obras em construção, Casa das Caldeiras (São Paulo, 2011).