Escritos no Galpão397 – quinto texto

Exercícios ecfrásticos a partir da visita às obras em processo dos artistas em residência no Ateliê397

Maria de los Vientos
das asas do condor na atmosfera fúcsia
desenha-se o contorno dos chifres
na cabeça do touro negro
um animal aéreo-telúrico emerge
dos pinceis de tinta óleo-manteiga

***
Enquanto atravesso o momento preciso
de decidir – vou ficar aqui –

incorporo a pele do outro
em minha epiderme

(esse lugar do sopro simultâneo
nos pelos eriçados das carícias
concomitantes às cócegas)

Enquanto atravesso o momento preciso
de decidir – vou sair daqui –

gozo a pele do outro em todo corpo
até o mais ínfimo segundo e além

***
a bananeira é pura ficção:
entidade peregrina
deusa viajante
fálica e prenhe de proteínas
pré-colombianas
americanas
bananas

Dora Smék
Na aula de medicina os homens se ocupam
a estudar a histeria do corpo da mulher
com o braço retorcido e o punho fechado
Ela não é a bela adormecida
Ela não vai acordar com um beijo de amor
Ela não vai se livrar nem escapar nem ceder
À força dos braços rudes que a detém
A mulher tem o braço retorcido e o punho fechado
a histérica do Dr. Charcot

[a partir de Une leçon clinique à la Salpetrière, André Bruillet]

***
aquece o molde derrama derrete
o metal líquido
até ficar duro o tubo de PVC
enrugado lá dentro
tem um pé entalado
o peso do bronze
onde antes era cera perdida

***

a figa da mão esquerda,
talismã, flor de fícus roxa

figa-amuleto pequeno
erétil vertical

da mão ao clitóris as figas
e os nomes das mulheres


Luciana Den Julio nasceu em 1978 e vive em São Paulo.